start portlet menu bar

Visualizador de conteúdo da Web

Display portlet menu
end portlet menu bar

GUMBOHATCH® INSIGHTS #1

Página inicial Conhecimento GUMBOHATCH® INSIGHTS #1

Novas melhorias na formulação de vacinas de imuno-complexo para IBDV


Uma das melhorias que foi fundamental introduzir na formulação das vacinas de imuno-complexo foi o correto controlo do revestimento das partículas do vírus.

Este correto revestimento do vírus é a única maneira de assegurar resultados homogéneos das vacinas de imuno-complexo no terreno, evitando perdas de título vacinal face aos elevados níveis de MDA’s.

Para as mais recentes vacinas de imuno-complexo (GUMBOHATCH®, vacina de imunocomplexo de IBD contra a doença infecciosa da Bursa), foram desenvolvidos dois novos controlos de modo a conseguir o seguinte:

Controlar as IgY livres: este controlo determina se ainda há Ig Y livres na suspensão final da vacina, o que significa que todas as partículas de vírus estão completamente revestidas.

Controlo de neutralização: neste controlo é feita a inoculação do imuno-complexo em ovos embrionados, de modo a provar que todas as partículas de vírus na vacina foram “neutralizadas” através do completo revestimento com anticorpos.

Também foram introduzidos outros novos testes e melhorias de formulação, de modo a alcançar um melhor e mais consistente processo de produção de vacinas de imuno-complexo:

FIGURA 1:Uma vacina imunocomplexa recém-formulada inclui IgY de origem de ovo.

 

Mistura com vírus fresco: as vacinas de imuno-complexo são formuladas com base na adição de anticorpos numa quantidade especifica que dependem do título inicial no cultivo da vacina. Esta titulação inicial implica 6-7 dias de espera entre a produção da colheita e a mistura final com os anticorpos, sendo que o vírus é usualmente congelado durante este período. As novas formulações tentam evitar este tempo de espera, que pode originar perda de potência do vírus, formulando a mistura com vírus fresco e adicionando uma quantidade de anticorpos que tem em linha de conta o limite máximo de vírus obtido no cultivo da vacina.

IgY com origem em ovos: até agora todas as vacinas de imuno-complexo utilizavam como anticorpos de revestimento IgY extraídas de soro de animais hiperimunizados. Foi desenvolvido um novo procedimento de extração de IgY de ovos, melhorando a consistência e a capacidade de produção de anticorpos de alta qualidade (entre outras vantagens).

Teste de Unidades de Potência: este teste envolve uma titulação direta do vírus na forma de imuno-complexo após o processo de liofilização, é por isso uma deteção direta da potência da vacina liofilizada. Este teste substitui a titulação indireta obtida através do CID50.


Todas estas melhorias resultaram numa nova formulação da vacina de imuno-complexo (GUMBOHATCH®) que garante a manutenção da potência máxima da vacina e resultados consistentes no campo.
 

REFERÊNCIAS:

1Whitfill et al. 1995. Avian Diseases 39, 4, 687-699.
2Jeuriseen et al. 1998. Immunology 95, 494–500.

© Laboratorios Hipra, S.A. All Rights Reserved.
No part of these contents may be reproduced, copied, modified or adapted, without the prior written consent of HIPRA.