start portlet menu bar

Visualizador de conteúdo da Web

Display portlet menu
end portlet menu bar

GUMBOHATCH® INSIGHTS #2

Página inicial Conhecimento GUMBOHATCH® INSIGHTS #2

Mecanismo de ação das vacinas de imuno-complexo de IBDV


As vacinas do imuno-complexo do IBDV foram desenvolvidas no final dos anos 90, com o objetivo de ter uma vacina de IBD que pudesse ser administrada nas salas de incubação e que fornecesse proteção independentemente do nível de anticorpos maternos dos pintos.

FIGURA 1: As células dendríticas foliculares desempenham um papel importante no mecanismo de ação das vacinas do complexo imunológico do IBDV.


No entanto, o uso de vacinas imuno-complexo para a IBD provou ser muito mais que isso, oferecendo a proteção de uma vacina viva com uma maior segurança e um maior potencial de resposta humoral em comparação com o uso de uma vacina com o apenas o vírus homologo1.

Além disso, as vacinas do imuno-complexo podem fornecer a chamada "vacinação inteligente" contra o IBDV, adaptando o início da imunidade às necessidades protetoras de cada pinto, o que evita as falhas de imunidade (immunity gap) que podem ocorrer quando outros tipos de vacinas são usados2.

Mas qual é o mecanismo de ação das vacinas do imuno-complexo do IBDV? Como é evitada a neutralização pelos anticorpos maternais? Onde é retido o vírus do imuno-complexo até o início da replicação?

Vejam o vídeo seguinte para melhor entender o mecanismo de ação das vacinas imuno-complexo do IBDV:

 

Resumo do vídeo
 

O ponto-chave das vacinas imuno-complexo do IBDV é garantir o correto revestimento do vírus vacinal com os anticorpos específicos do IBDV (IgY).

Este correto revestimento do vírus irá impedir a neutralização do vírus da vacina pelos anticorpos de origem materna (MDAs).

O imuno-complexo (vírus + IgY) será então retido nas células dendríticas foliculares dos órgãos linfóides (e provavelmente nos macrófagos), o que levará a uma libertação contínua do vírus sem anticorpos. Se a proteção fornecida pela mãe ainda estiver ativa, o vírus libertado será neutralizado pelos MDAs e não se replicará.

Assim que a proteção maternal começar a diminuir, o vírus libertado deixará de ser neutralizado e iniciará a sua replicação na bursa, o que significa que a ave ficará automaticamente protegida devido à exclusão competitiva e que o início da imunidade irá começar.

Este início de imunidade depende das necessidades de proteção individual de cada pinto, e é conhecido como "Vacinação Inteligente de Gumboro".

 

REFERÊNCIAS:

1Whitfill et al. 1995. Avian Diseases 39, (4), 687-699.
2Gelb et al. 2016. Avian Diseases 60 (3), 603-612.

© Laboratorios Hipra, S.A. All Rights Reserved.
No part of these contents may be reproduced, copied, modified or adapted, without the prior written consent of HIPRA.